O silêncio antes do saque

Os ídolos femininos do mundo do tênis adoram posar nas suas encenações. Para a Christophorus, a renomada fotógrafa Radka Leitmeritz faz um registro exclusivo de si mesma diante da câmera.

   

Radka Leitmeritz:

Radka Leitmeritz:

A fotógrafa tcheca revoluciona os registros de tênis. O autorretrato em visual vintage foi tirado em Scottsdale, Arizona (EUA).

Em um gracioso café em uma praia no Pacífico, é inevitável reparar em Radka Leitmeritz. Ela veio, é claro, direto da sua aula de tênis: de jaqueta quadriculada verde-limão dos anos 80, com a palavra “tênis” bordada mil vezes, correntinha prateada com um pingente de raquete e boné branco com estampa de uma bola de tênis verde clara. Vestida assim, ela poderia muito bem aparecer em um dos inesquecíveis filmes que romantizam o esporte, como Match Point, de Woody Allen. Leitmeritz gosta da linguagem visual do suspense melodramático de 2005.

“Cresci em um bloco de concreto perto de Praga”, conta a artista de 47 anos. “O tênis era um esporte inatingível para mim, de que eu tinha uma visão romântica: de que as pessoas iam ao clube vestindo lindas roupas retrô e tomavam limonada no terraço.” Esse mundo era distante da sua realidade de vida na República Tcheca. Leitmeritz mudou-se para Munique para um job de assistente de fotografia. Sua próxima parada foi em Paris. Como fotógrafa recém-formada, ela tentou a vida em Los Angeles, onde trabalhou com estrelas como Nicole Kidman.

Encenações emocionantes:

Encenações emocionantes:

Petra Kvitová, fotografada por Radka Leitmeritz.

Lá também reacendeu sua paixão pelo tênis. Ela conta sobre sua primeira aula, há quatro anos: “Fiquei viciada na hora e queria aprender tudo sobre o esporte.” O que aconteceu depois comprova: quem persegue uma grande paixão muitas vezes tem o sucesso como recompensa. “A redação da revista Elle da República Tcheca reparou que eu publicava muitas fotos de tênis nas redes sociais, e então me perguntou se eu queria fotografar Petra Kvitová.” Desse ensaio de 2018 saiu a célebre foto que mostra a bicampeã de Wimbledon nos degraus de uma arquibancada em ruínas, deitada de costas para a câmera, com a roupa e o corpo imundos de areia vermelha. O mundo do tênis nunca tinha visto nada parecido. Geralmente só há dois tipos de fotos das jogadoras: em ação na quadra ou superproduzidas para revistas de moda. “Isso vai ficando chato”, diz Leitmeritz. Sua visão é outra: “Quero os momentos que mais ninguém fotografa.” Sempre tiram fotos da vencedora, mas em um torneio de Grand Slam, outras 127 jogadoras voltam para casa derrotadas: “Quero mostrar os bastidores do mundo do tênis – as lágrimas das perdedoras, a solidão dos quartos de hotel, os encontros no vestiário.”

Clareza que transborda emoção.

Barbora Strýcová:

Barbora Strýcová:

Seus maiores êxitos foram conquistados em dupla. Leitmeritz a retratou como Eva.

A fotografia de Kvitová lhe abriu as portas para esse mundo, geralmente muito fechado. Foi quando Leitmeritz constatou que muitas jogadoras tinham vontade de participar do experimento fotográfico. Nas quadras, elas vestiam roupas dos patrocinadores; nos ensaios de moda, dos estilistas. “Elas perceberam que eu me esforço para extrair suas diferentes personalidades”, diz Leitmeritz. Ou seja: Bianca Andreescu no chuveiro; Barbora Strýcová como Eva, com uma bola de tênis estilizada como maçã; Angelique Kerber em preto e branco, em um corredor que parece sem fim. A fotógrafa conseguiu fazer jus à individualidade de cada uma, mas mantendo-se fiel à sua estética retrô. 

Em suas fotos, apaga-se a fronteira entre vida e arte. Ela admira cenas como a partida de tênis de mímica no parque que encerra o filme Blow Up, de 1966. “Eu busco personalidade – também nos lugares.” Ginásios, piscinas e quadras de tênis abandonadas a fascinam. “Não sabemos o que aconteceu ali, e isso 
estimula a fantasia.”

Por fim, Leitmeritz conseguiu mesmo dar ao esporte o romantismo com que sonhava quando criança. E como ela vê a si mesma nesse universo? Como fã da Porsche, ela topou fazer um experimento exclusivo para a Christophorus de uma composição consigo mesma. Foi um desafio: “Não gosto de ser fotografada. Mas quis ver como isso seria: eu no mundo do tênis.”

Maria Sharapova:

Maria Sharapova:

Para o projeto da Porsche “Court Supremes”, Leitmeritz produziu em Los Angeles o retrato da ex-líder do ranking mundial.

Court Supremes

O projeto fotográfico atual da Porsche Central and Eastern Europe, da Porsche AG e de Radka Leitmeritz é uma homenagem artística às mulheres fortes do tênis. Jogadoras de elite como Petra Kvitová e Martina Navratilova e as embaixadoras da marca Porsche Julia Görges, Angelique Kerber e Maria Sharapova já posaram para sua câmera. Todas as cinco já deixaram a quadra do Porsche Tennis Grand Prix em Stuttgart como vencedoras, dirigindo um Porsche 911 como prêmio. Em 2022, o torneio será realizado de 16 a 24 de abril. A fabricante de carros esportivos patrocina desde 1978 o tênis feminino, ampliando continuamente a sua popularidade internacional.

Jürgen Schmieder
Jürgen Schmieder
Artigos relacionados