Cavaleiro entre os mundos

Com sua empresa, Armin Pohl criou cenários virtuais ultrarrealistas, comemorando sucessos também em Hollywood. Com sua coleção de automóveis, originada por um Porsche 928 GTS, ele cultiva seu amor por obras-primas da mecânica. O retrato de um visionário com os pés no chão.

   

Porsche Panamera 4 E-Hybrid Sport Turismo
Consumo de combustível urbano: 2,3–2,2 l/100 km
Consumo de energia (combinado): 18,2–17,5 kWh/100 km
Emissões de CO₂ (combinado): 51–49 g/km (dados de 12/2020)

Armin Pohl está na galeria de um edifício industrial, onde antigamente blocos de concreto eram moldados. Enfileirada à sua frente, a história do automóvel se apresenta: duas dúzias de veículos clássicos, uma visão espetacular de uma beleza atemporal. Satisfeito, Pohl olha para as obras-primas de décadas passadas: “Minhas filhas dizem que eu vivo no futuro.” Futuro e passado, influência global e apego à sua terra, digitalização e destreza artesanal tradicional – a fusão dos opostos agrada ao cara que, na função de CEO da Mackevision, tornou a empresa líder mundial no mercado de visualizações 3D. Stuttgart não é só a base da Mackevision, bem perto da cidade também está o lar da coleção de automóveis de Pohl, que tem agora mais tempo livre. Após 25 anos de uma história de sucesso, o empresário de 54 anos está saindo da empresa. Ele concorda com suas filhas, ao concentrar suas visões de futuro na esfera privada. “Na verdade, nos últimos vinte anos, nada me surpreendeu no desenvolvimento tecnológico.” Pohl, que já desenhava carros apaixonadamente nos tempos de colégio e se formou em ilustração, logo reconheceu o imenso potencial do processamento digital de imagens e, mais tarde, dos programas de 3D. Ele viu o mundo virtual chegar e ajudou a formá-lo desde o início. “Para mim estava claro: isso vai mudar tudo!”

“Minhas filhas dizem que eu vivo no futuro” Armin Pohl

Através dos talentos visionários de Pohl, a Mackevision obteve a conquista internacional. “Macke” representa Marcus Roth, em cuja firma Pohl entrou em 1995 e que assumiu em 2006. Desde 2018, a Mackevision faz parte da Accenture Interactive. A Mackevision deixou a concorrência para trás com grande vantagem especializando-se na criação digital de cenários publicitários impecáveis. Hoje a empresa produz, entre outras coisas, visualizações 3D em foto e vídeo para a Porsche e outras fabricantes de automóveis do segmento premium. Geradas por computador, as imagens em comerciais, prospectos ou configuradores digitais são tão perfeitas, que às vezes parecem superar a realidade. “Logic meets magic”, a lógica se cruza com a mágica, é como Pohl descreve seu trabalho enquanto artista e empresário.

Frotas de navios para Game of Thrones

Há anos que os espetaculares mundos de experiências também são atraentes para Hollywood. Em Game of Thrones, a Mackevision foi responsável pelos navios e pelas edificações a partir da quarta temporada da série de sucesso. Por seu trabalho, a empresa recebeu vários prêmios, entre eles um Emmy em 2014, o mais importante da televisão dos EUA. Em 2020 ela também foi agraciada com nomeações para o Emmy pelo trabalho nas séries Watchmen e Perdidos no Espaço. Pohl moldou uma marca estabelecida mundialmente com dependências na Europa, América e Ásia.

Para Hollywood, a Mackevision executa as tarefas especialmente exigentes de um projeto”, explica Pohl. Quando se deseja obter, por exemplo, água fluindo de modo digital, uma das tarefas mais complicadas na área de efeitos visuais, a Mackevision está de prontidão. Ou quando uma cidade medieval inteira tem que surgir a partir de uma cabana, uma enorme frota de navios deve atacar um porto ou uma criatura do espaço precisa ser criada. Game of Thrones estabeleceu novos padrões em termos de efeitos visuais e a Mackevision foi corresponsável por isso. Além de qualidade, o negócio exige perseverança. “A competição é duríssima e os prazos de entrega são rígidos”, admite Pohl. “Ali estão diretores e produtores responsáveis por orçamentos na casa dos milhões. Quem não cumpre prazos combinados, cai fora de Hollywood.”

Como recompensa por seu mundo de trabalho virtual, este homem alto com os cabelos longos bem presos sempre gostou de fazer algo com as mãos. “Lá em casa, trabalhar na horta era algo normal. Meus pais eram refugiados, então aprendi que a gente tem sempre que plantar a própria comida e aproveitar tudo.”

Fantasias virtuais, móveis usados:

Fantasias virtuais, móveis usados:

CEO da Mackevision, Armin Pohl criou mundos artificiais altamente tecnológicos junto com mais de 500 colaboradores. Agora ele dedica mais tempo para atividades concretas e realistas

Futuramente, ele quer dedicar sua atenção não apenas aos carros, mas também a seu segundo hobby, o cultivo orgânico de frutas em seu próprio terreno. “A estação vai de cerejas a nozes”, conta Pohl, deliciado. Por muito tempo era ele quem enchia as fruteiras da Mackevision com seus próprios produtos.

A palavra “garagem” parece não ser adequada para descrever a sua, que se estende por vários salões abrangendo 2.600 metros quadrados. O mobiliário é a contraparte do trabalho futurista. O conjunto de sofás de segunda mão, sobre os quais apenas certos convidados se sentam, foi um presente. Ao lado ficam bancos e mesas dobráveis de madeira, daqueles típicos de festas de cerveja, e as bebidas saem de uma velha geladeira de bar. Polidos são apenas os 24 carros que o anfitrião agrupou por marcas em torno da peça central da imponente coleção: seu Porsche 928 GTS. “De todos os carros aqui, o 928 é o mais completo. Estética, prazer de direção, design, adequação para o uso diário – uma combinação realmente sensacional”, empolga-se Pohl.

O carro como espelho da personalidade

Ainda na escola, no fim da década de 1970, Pohl já era fascinado por aquele carro, então recém-lançado. Em meados dos anos 1990, ele dirigiu pela primeira vez um 928 S4, em seguida um 928 GTS na cor Rain Forest Green, exatamente como hoje. Quando as filhas vieram ao mundo, o Porsche cedeu lugar a um carro maior, tamanho família. E então, há cinco anos, um encontro portentoso. “O 928 passou na minha frente, e aí pensei de novo: ‘Uau, que carro!’ O dono, um colega, saiu do carro e contou que tinha que vendê-lo por causa da família.” Uma história conhecida. Foi com esse carro que Pohl inaugurou sua coleção.

Discreto tesouro:

Discreto tesouro:

não perceptível do lado de fora, Pohl guarda sua coleção. O Porsche 928 GTS é origem e peça central

“Quero me sentar ao volante e ter a sensação de que sou eu, aqui e agora, neste dia. Como a roupa que deve combinar com o ânimo”, afirma Pohl, explicando a diversidade dos veículos. Os modelos mais antigos são da década de 1960, incluindo carros exóticos e muscle cars. “Em cada carro sinto o espírito de sua época. Meus carros são tão dramaticamente diferentes quanto as personalidades que trago em mim.” Ele frequentemente opta pelo 928. “Toda vez eu penso: ‘Ah, adoro dirigir esse carro!’” O Porsche tem 190.000 quilômetros no hodômetro. Ele é um filho temporão de sua série, ano de construção 1994.

Os últimos exemplares do Gran Turismo com motor V8 dianteiro foram produzidos em 1995. “A Porsche se destaca pela combinação entre design consistente, esportividade, confiabilidade e a arte da engenharia alemã”, atesta Pohl. “Quando criança, jamais teria ousado sonhar que um dia possuiria um Porsche. E justamente o 928 foi, naquela época, uma sensação enquanto mensageiro da tecnologia!”

Assim como Armin Pohl, o Gran Turismo antecipou o futuro. Hoje pode-se dizer que a linha segue até o Panamera 4 E-Hybrid Sport Turismo, com o qual Pohl agora dirige com mais frequência para a sua garagem.

SideKICK: Jim Botão e a selvagem Mackevision

Em 2020 foi celebrado o 60o aniversário da publicação do livro infantil de Michael Ende, Jim Botão e Lucas, o Maquinista. No outono europeu estreou a adaptação para o cinema de sua continuação, Jim Botão e os 13 Selvagens. A Mackevision participou de maneira decisiva nas filmagens dos dois romances, criando um reino fabuloso.

Nos mundos digitais os protagonistas vivenciam aventuras com os piratas dos 13 selvagens, dragões, o imperador de Mandala – e na procura da verdade sobre a origem do enjeitado Jim Botão. Pela primeira parte, a Mackevision ganhou um prêmio. Os livros de Michael Ende, entre eles A História sem Fim e Momo, tornaram-se sucessos mundiais, tendo sido traduzidos para mais de 40 idiomas e adaptados diversas vezes para o cinema, a televisão e o teatro.

Frieder Pfeiffer
Frieder Pfeiffer

Artigos relacionados