Yousef Fittiani

Yousef Fittiani é cofundador do clube da Porsche no Kuwait e proprietário de uma leva de surpreendentes carros esportivos de Zuffenhausen. Como são os entusiastas no Golfo? De antemão sabe-se: a fascinação é a mesma no mundo inteiro.

80 passos bastam para se reconhecer a obsessão por detalhes de Yousef Fittiani. 80 passos que vão da saída do aeroporto do Kuwait até seu Porsche Cayenne S ano 2006. O veículo que escolheu para nos recepcionar no aeroporto. A pintura do polimento de alto brilho enquadra o interior em couro bege, sua idade não seria possível estimar – de tão perfeito o estado em que se encontra.

Para continuar garantindo esta perfeição, tapetes de plástico pesados e transparentes cobrem os carpetes recém-escovados do interior. Beira o impossível demonstrar mais amor a um veículo em um país sobre cujas estradas as tempestades de areia dançam diariamente. “Manter cuidados constantes é crucial, pois do contrário os carros envelhecem mais rápido do que aceleram”, conta Fittiani e acrescenta: “Além disso, eu não aguentaria ver um carro da minha coleção sem os merecidos cuidados.”

Sua coleção é um refinado conjunto de modelos Porsche customizados. Fittiani os guarda em uma garagem subterrânea privada e climatizada, e está louco para mostrá-los à equipe da Christophorus. No caminho até lá, ele conta como foi tomado pela paixão pelos carros Porsche. Tudo começou quando, no fim dos anos 1980, ele começou seus estudos universitários nos EUA. O rapaz logo fica tremendamente impressionado com o culto ao automóvel dos norte-americanos. Mas este não é o primeiro sinal do destino – outro já viera do pai astuto que, ao invés de mimar o filho com dinheiro, o encorajou a levar a sério a universidade e o estilo de vida da nova cultura. A encontrar suas paixões. A tomar decisões inteligentes. E a alcançar as próprias metas estabelecidas.

Peças de devoção:

Peças de devoção:

a Porsche levou Fittiani pelo mundo afora e o presenteou com vivências, das quais ele se lembra neste local

Um espaço repleto de magia

A primeira delas é então um Porsche 944 S2 Cabriolet. “Um de meus colegas de classe dirigia um 944 Turbo S, uma máquina fulminante que não surpreendia somente nos circuitos. O sóbrio design da Porsche do fim da década de 1980 me conquistou. Depois das aulas, eu costumava passear na frente das vitrines das concessionárias.” E num belo dia, o jovem de, na época, 19 anos descobre o conversível branco.

O que separava o estudante do carro de seus sonhos? 42.000 dólares americanos. Fittiani pede a seu pai um empréstimo. Com o dinheiro vivo no bolso, ele visita então alguns leilões de carros na Costa Leste. Não com o fim de comprar o carro dos seus sonhos, mas com o de aguçar seus sentidos para as transações. Ele logo saberá quais carros não requerem muitos cuidados e podem render lucros com a venda. Após intensos meses batendo figurinha, Fittiani poupou o montante necessário para enfim poder comprar o desejado 944.


“Outra coisa que aprendi a valorizar naquela época, nos EUA”, conta Fittiani: “A forma descontraída como as pessoas são tratadas no Porsche Club of America. Independente da classe social dos sócios, no clube todos são iguais e têm uma paixão em comum: dirigir Porsche.” Naqueles anos, Fittiani explora as mais belas estradas e circuitos dos EUA ao volante de seu Porsche. Essa é também a época, na qual visita com seu pai o Museu da Porsche em Stuttgart. No início dos anos 1990, ele finalmente adquiriu mais um Porsche: um 911 Carrera 2 do ano de 1992. Vermelho coral por fora. Por dentro, cinzento.

Tráfego livre:

Tráfego livre:

é raro ver as ruas do Kuwait tão vazias – já a tempestade de areia que se aproxima não é raridade

De volta ao Kuwait, onde os faróis do Cayenne iluminam uma cancela em vermelho e branco. Um homem idoso com barba grisalha está atrás dela e pestaneja em direção à luz clara. Ao reconhecer a voz de Fittiani, acena amigavelmente e eleva a barreira. Dez minutos depois, abre-se o segundo de alguns pesados portões de enrolar – e estamos na garagem de Fittiani, na qual ele abriga sua coleção de Porsche. Desde o dia em que se tornou fiel à marca de carros esportivos ao comprar o 944, ele coleciona camisetas, xícaras, bonés, modelos em miniatura, cartões com autógrafo, pôsteres e calendários com o logotipo da Porsche. Além disso, ele guarda ali os grandes tesouros: um 911 Turbo Cabriolet (Tipo 996) prateado, rodeado por um 911 GT3 branco e um 911 GT3 RS amarelo, ambos do ano de 2007. À frente deles, encontra-se um 911 GT2 (Tipo 997) em Amarelo Speed, e atrás dele, um 911 Cabriolet preto do ano de 1989.

“Porsche é minha maior paixão” Yousef Fittiani

A joia preciosa da coleção cintila no centro da garagem: um Porsche Carrera GT. Nem mesmo profundos conhecedores da marca poderiam supor que ele mostra 20.000 quilômetros rodados no taquímetro – de tão bem conservado que está o superesportivo. “Na verdade, eu nem tinha a intenção de comprar um GT. Mas fiquei sabendo que um conhecido piloto de ralis dos Emirados Árabes Unidos estava pretendendo vender exatamente este modelo com uns 5.000 quilômetros rodados. Não pude resistir”, confessa Fittiani, enquanto faz movimentos circulares com um pano suave na porta do piloto. “Sorte a minha ter me lançado nessa aventura, pois o GT é um carro esportivo sensacional. Um marco histórico.” Ao abrir a porta traseira, não conseguimos acreditar no que vemos. O motor aparenta estar novo em folha, como se tivesse sido instalado naquele momento. Fittiani sorri timidamente, e então explica: “Durante os trabalhos da primeira manutenção, eu ia ao Centro Porsche do Kuwait e limpava muitas peças do carro com uma escova dental antes que elas fossem instaladas.”

Fittiani não é somente um entusiasmado piloto e colecionador Porsche, para ele a consciência pela marca também é importante. Em 2003, ele fundou junto com outros entusiastas o Porsche Club local. Até 2013, na função de vice-presidente, ele organizou muitos encontros e excursões – realmente não faltam proprietários de carros da Porsche no Golfo. E para que isso seja mantido Fittiani já está começando a apresentar a seus dois filhos o carro esportivo fabricado na distante Alemanha. Eles o acompanham frequentemente à sua garagem, onde a filha Ayda o ajuda no polimento. O filho Omer fica observando. Vestindo um macacãozinho da Porsche, é óbvio.

Yousef Fittiani

O entusiasta da Porsche nasceu em 1971 no Kuwait, adquiriu em 1990 seu primeiro Porsche, concluiu a universidade nos Estados Unidos em 1995, trabalha desde 1997 na área de medicina e vive hoje com sua família no Kuwait e na Jordânia. E, como próximo carro para adicionar à sua coleção de carros Porsche, ele quer um Porsche 356.

Dani Heyne
Dani Heyne