Andar como anda um Porsche

Motor elétrico inovador e as eternas virtudes da Porsche – será que isso combina? “Sem dúvida!”, afirma Stefan Weckbach, diretor da série de modelo Taycan. O primeiro Porsche 100% elétrico irá anunciar uma nova era – e ao mesmo tempo permanecer fiel aos valores clássicos da marca de esportivos.

Sr. Weckbach, até agora carros elétricos são tudo menos um sucesso de vendas. O Taycan está chegando cedo demais?

Chegou a hora. Na Porsche a eletromobilidade já tem tradição: em 1900, na Exposição Universal de Paris, Ferdinand Porsche já apresentava o Lohner Porsche, um veículo elétrico com autonomia de 50 quilômetros. Desde 2010 existem modelos Porsche em versões híbridas, começando com o Cayenne e continuando com o Panamera. Versões híbridas plug-in da Porsche estão disponíveis no mercado desde 2013. Com isso, somos os primeiros do segmento premium a oferecer modelos plug-in. Hoje a segunda geração de híbridos plug-in já está nas ruas, podendo rodar até 50 quilômetros totalmente no modo elétrico. Com o 918 Spyder, mostramos o que é possível quando se complementa um motor aspirado V8 de um superesportivo com dois motores síncronos elétricos nos eixos dianteiro e traseiro. E agora, com o Taycan, estamos dando o próximo passo lógico, lançando um veículo totalmente elétrico, que irá cumprir nossas exigências sem fazer compromissos.

Como é exatamente a estratégia de eletrificação da Porsche?

A eletrificação é uma parte essencial da nossa estratégia de produto, composta de três pilares. O primeiro são os esportivos puristas com motor a combustão. O segundo, os veículos híbridos. E o terceiro pilar aponta para o futuro com veículos totalmente elétricos. Com esta tríade cobrimos toda a escala do mercado e podemos atender a todos os desejos dos clientes.

“O Taycan anda como um Porsche, tem cara de Porsche e proporciona uma sensação de Porsche” Stefan Weckbach

Será possível conferir ao Taycan as virtudes clássicas da Porsche?

Desde o princípio ficou claro que um Porsche elétrico, assim como qualquer outro modelo Porsche, teria que ser o carro mais esportivo de seu segmento. Enquanto carro elétrico, um Porsche tem que cumprir as exigências típicas da marca, por exemplo, em relação à dinâmica longitudinal e transversal. Ele também será imediatamente reconhecido como um Porsche, pois repassamos o DNA do design da marca para os futuros veículos elétricos. Você pode ter certeza: o Taycan vai fazer jus às exigências da Porsche em todos os aspectos, inclusive no que se refere à escolha dos materiais, componentes individuais e à qualidade do veículo como um todo.

O Taycan trará consigo novas virtudes?

O Taycan anda como um Porsche, tem cara de Porsche e proporciona uma sensação de Porsche – só que, justamente, tem uma outra propulsão. Um esportivo elétrico também pode ser purista e altamente emocionante. Para nós isso não é uma contradição, ao contrário: com a técnica de propulsão otimizada e o conceito certo de veículo, as características da Porsche podem ser ainda mais exploradas. Tomemos como exemplo a bateria na parte inferior da carroceria. Ela proporciona ao Taycan um centro de gravidade extremamente baixo, chegando a ser mais baixo que o do 911. Em combinação com uma distribuição ideal de peso entre os eixos, o Taycan é, desta forma, muito esportivo em seu conceito básico.

Até agora os esportivos elétricos perdem em dinâmica de propulsão após repetidas acelerações fortes…

Mas não o Taycan. Tomamos duas medidas para que o desempenho permaneça inalterado em todas as situações de direção. Uma foi ter nos decidido, no momento da escolha dos motores de tração, por motores síncronos com excitação permanente que permitem uma alta potência contínua, garantindo com isso um desempenho reproduzível. Isso significa que você poderá acelerar forte não apenas uma vez, mas várias em seguida. O mesmo vale quando se quer dirigir em alta velocidade constante. A outra medida foi termos desenvolvido um sistema de resfriamento inteligente, que evita possíveis perdas de desempenho causadas por uma geração de calor muito forte fornecendo refrigeração exatamente àqueles componentes que estão precisando no momento.

Para serem adequados para o uso diário, os carros elétricos precisam oferecer autonomia em suficiência. Para tanto, eles necessitam de baterias relativamente pesadas, o que por sua vez prejudica o desempenho. Como vocês resolveram esse antagonismo?

Uma questão crucial durante o desenvolvimento do Taycan foi definir o equilíbrio ideal entre autonomia e desempenho. Teoricamente só precisaríamos colocar no carro uma bateria grande o suficiente e já teríamos bastante autonomia. Mas isso não seria típico da Porsche, simplesmente por causa do peso excessivo. Nossas soluções alinham-se com o conceito de “Intelligent Performance”, de desempenho inteligente, que também transferimos para o Taycan. Com isso alcançamos, por exemplo, uma autonomia elétrica de mais de 500 quilômetros, mantendo ao mesmo tempo o peso tão baixo quanto possível. Elementos importantes aqui são a alta potência específica e o alto rendimento do motor elétrico: isso significa que, por um lado, os motores elétricos pesam menos na balança, e por outro, o rendimento maior e assim o baixo consumo de energia possibilitam a utilização de baterias mais leves e menores. Então também lapidamos intensamente a aerodinâmica durante o desenvolvimento do Taycan, lutando por cada milésimo de cw (coeficiente de resistência aerodinâmica) no túnel de vento. Com isso foi possível reduzir a resistência do ar a um mínimo possível.

“A Porsche irá apresentar o Taycan no final de 2019. Por ora já posso dizer que ele não será simplesmente só um carro elétrico. Ele será um Porsche”

Stefan Weckbach

Com a arquitetura de 800 volts para motor e bateria, a Porsche está seguindo um caminho próprio. Quais são as razões disso?

Não tenho certeza de estarmos trilhando um caminho próprio. Eu diria antes que somos os primeiros a trilhar o caminho certo para as nossas exigências. Um Porsche com propulsão elétrica não tem apenas que correr – você também tem que poder recarregá-lo rapidamente. Com a tecnologia de 800 volts você pode recarregar o carro em pouco mais de 15 minutos e obter 400 quilômetros de autonomia. Ou seja, em comparação com os sistemas comuns atuais, a recarga dura a metade do tempo. Além disso, a tensão mais alta possibilita configurar de forma mais leve e compacta o sistema elétrico com diâmetros de cabo menores e um pacote mais eficiente. Isso também entra na rubrica “Intelligent Performance”.

Com a tensão mais alta, foram necessárias medidas de segurança adicionais?

Não, em um sistema de 800 volts não há diferença no quesito segurança, em comparação com um sistema de tensão de 400 volts, que há muito é utilizado nos híbridos plug-in e veículos elétricos.

Os motoristas do Taycan terão possibilidades de recarga suficientes?

Juntamente com outros fabricantes de automóveis, a Porsche está montando um sistema de recarga rápida para veículos elétricos ao longo dos principais eixos de trânsito europeus. Até 2020, uma rede de mais de 400 estações de recarga deverá estar à disposição. Além disso, garantimos que com um booster de alta voltagem o Taycan também poderá ser recarregado em estações de 400 volts. A possibilidade de recarga do nosso esportivo será, portanto, retrocompatível.

“Com o Taycan estamos lançando no mercado um veículo totalmente elétrico, que irá cumprir nossas exigências sem fazer compromissos” Stefan Weckbach

O que pessoalmente mais o entusiasma nesse carro?

Estamos testando protótipos já há um bom tempo, tendo rodado muitos e muitos quilômetros com eles. Em fases bem iniciais os primeiros veículos já exibiram as típicas qualidades de direção da Porsche. Eles permitiram uma condução tão esportiva e reagiram tão imediatamente, que logo nos sentimos em casa. E desde então já aconteceu muita coisa.

Quando veremos o Taycan oficialmente nas ruas?

A Porsche irá apresentá-lo no final de 2019. Por ora já posso dizer que ele não será simplesmente só um carro elétrico. Ele será um Porsche.

Stefan WECKBACH

Stefan Weckback (41 anos) estudou administração de empresas até o ano 2000 em St. Gallen, na Suíça, onde em seguida também atuou na área científica e fez doutorado. Em 2008, após cinco anos como consultor administrativo e diretor de projeto em uma consultoria de empresas, o pai de duas filhas migrou para a Porsche. Seguiram-se postos em gestão de investimentos estratégicos, assistência da presidência da Porsche AG e direção de estratégia de produto e da série de modelo Boxster/Cayman. Desde novembro de 2014, Weckbach é diretor da série de modelo Taycan.

Laurin Paschek
Laurin Paschek