Teoria das cores

O novo Porsche 911 GT3 RS – 520 cv. Zero a 100 em 3,2 segundos. Velocidade máxima de 312 km/h.

Este Porsche é verde. Mas por quê?

Quem fizer esta pergunta a Barbara Sika e Daniela Milošević vai primeiro receber um sorriso de quem sabe. As duas designers desenvolvem na Porsche as cores dos novos modelos e derivados. “O 911 GT3 RS leva ao extremo o tecnicamente possível, então teve também que receber uma cor de ponta”, explica Barbara Sika. “Nós adaptamos a cor exatamente ao caráter de um veículo”, completa Daniela Milošević. “A cor deve ser como um traje perfeito, que coloca em cena as características do modelo de forma ideal.” Por isso, escolheu-se um tom de verde com um toque de amarelo. Parte do desenvolvimento da cor é também encontrar um nome que combine com ela. O verde-claro foi batizado pelo departamento de marketing de “Lizard Green”, referindo-se ao termo em inglês para “lagartixa”. Para Sina Brunner, gerente de produto no setor de Inovação e Cores, é a correspondência perfeita. “O ‘Lizard Green’ é uma cor muito extrovertida, que expressa esportividade, agilidade e maleabilidade”. Assim ela combina totalmente com o novo 911 GT3 RS. “Afinal, você não o dirige para se esconder”, acentua Sika.

A cor de comunicação:
é nessa cor que um modelo será exposto em todas as formas de comunicação. Sina Brunner testa a cor sob a luz

Ainda não se sabe se muitos motoristas do 911 GT3 RS irão futuramente optar por esta cor incomum na hora da compra. Muito pelo contrário, as designers têm consciência de que este tom de verde irá polarizar. E com todo o direito, deve. Afinal, o Lizard Green não é uma cor comum, mas uma chamada “cor de comunicação”. “Com ela sinalizamos exatamente a cor na qual um modelo especial será apresentado durante toda a comunicação”, explica Sina Brunner, que une design e vendas. “No lançamento mundial, esta cor específica permeia, enquanto cor de destaque, todo o trajeto entre as primeiras campanhas publicitárias e toda a comunicação do produto.” E a tarefa mais importante de uma cor de comunicação nunca é a de agradar a todos. Ela deve muito mais sublinhar o caráter excepcional e único de um Porsche e, com isso, chamar atenção. Brunner resume em termos claros: “O 911 GT3 RS Lizard Green deve chamar a atenção das pessoas e atraí-las a um showroom.”

Para que isso dê certo, as designers de cores têm que estar atentas às tendências da atualidade – e serem altamente visionárias. Afinal, o desenvolvimento de uma nova cor de pintura – e com isso também de qualquer nova cor de comunicação – leva vários anos. Um dos motivos é o altíssimo nível de qualidade que a Porsche exige para suas tintas. Por exemplo, os testes de exposição às intempéries climáticas, durante os quais a lataria pintada com cores novas fica 24 meses exposta ao sol em campos de provas especialmente equipados para este fim e localizados em regiões desérticas.

Exames minuciosos

Com os testes, as especialistas almejam excluir a possibilidade de que um tom de cor possa se modificar de alguma forma ao longo do tempo. Além do teste das intempéries, a nova tinta passa por vários outros exames, como a prova de estabilidade contra água salgada ou produtos para a limpeza dos aros das rodas. Para esportivos de alto desempenho, como o 911 GT3 RS, é importante também que a tinta seja resistente a pancadas de pedra, pois estará, proporcionalmente, bastante exposta a eles.

Todos esses passos no desenvolvimento e ciclos de testes precisam do seu tempo para serem concluídos. O procedimento das designers dá-se em três etapas. Primeiro, elas fazem uma retrospectiva do histórico do carro. “Quem não conhece o passado, não pode dar forma ao futuro”, sabe Barbara Sika.

A cor deve ser como um traje perfeito, que coloca em cena as características do modelo de forma ideal

Trabalho de equipe:
Daniela Milošević e Barbara Sika (foto acima, da esq.) examinam uma amostra de cor do 911 GT3 RS

Por isso, as especialistas em cores analisam primeiro todas as cores de comunicação de um modelo, de seu nascimento até a última versão. “A fim de dar a cada derivado uma cor inconfundível, não podemos aproximar demais o tom novo àquele do modelo anterior”, explica Milošević.

Em seguida, designers de cores desenvolvem as primeiras ideias, que são discutidas com sua colega do setor de Marketing, Sina Brunner. Que tom combina bem ou não com o caráter do veículo? Por último, os designers precisam prever que cor estará em alta, quando o novo modelo chegar ao mercado alguns anos mais tarde. “A indústria de móveis é para nós uma importante fonte de inspiração, pois desenvolve cores com uma antecedência semelhante à nossa”, afirma Milošević. Observar as cores individuais encomendadas pelos clientes da Porsche para os seus carros, e que não fazem parte dos tons usuais, também é um bom auxílio. Afinal, a geração atual de modelos também deve combinar com toda a gama de cores da Porsche.

Durante as diversas etapas, a equipe destila então uma proposta – um possível tom de cor em várias nuances e com vários efeitos, como, por exemplo, uma pintura metálica ou pigmentos perolados. As tintas são mostradas em pequenas chapas de metal e discutidas por uma equipe maior de peritos, na qual se reúnem especialistas das áreas de produção, desenvolvimento tecnológico, design, vendas e marketing. “Nesse círculo maior esclarecemos, afinal, quais conceitos de cor são tecnicamente realizáveis”, explica Sina Brunner. O importante aqui é também a visão dos designers de todos os outros materiais que serão utilizados no veículo. Pois um tom de cor pode ser muito bom para a pintura exterior, mas no final ele também tem que harmonizar com couro, alcântara e todos os outros materiais interiores. Só quando todas essas questões estão esclarecidas é que começa o desenvolvimento técnico da cor de comunicação.

Lizard Green:

Lizard Green:

uma cor extrovertida, que transmite esportividade, agilidade e maleabilidade

Como e por que uma cor específica entra em moda não se pode explicar de modo conclusivo. Mas uma coisa é certa: existem ciclos periódicos. Em geral é o setor de moda que dá o compasso. Em seguida, os designers de acessórios para casa seguem determinadas tendências, mais tarde vem a indústria de móveis. “Se você olhar para a história de certas cores ao longo das décadas, irá observar com frequência como as tendências são tomadas pelo espírito de sua época”, informa Sika. Um bom exemplo é a cor branca, muito popular como pintura de carro nos anos 1970, e que nos anos 2000, ao contrário, quase tornou-se um tabu, para na década de 2010 voltar com tudo. Hoje ela é especialmente popular para carros elétricos. A ideia é que, enquanto cor de comunicação, ela sinalize pureza e ecologia.

Com denominações como “Signal Yellow” ou “Star Ruby”, a cor então casa-se para sempre com o modelo para o qual foi pensada. Em geral, seu papel resume-se à propaganda e à comunicação – mas nem sempre. Assim, o modelo anterior ao Porsche 911 GT3 RS foi apresentado em “Lava Orange” – um tom que alcançou em seguida uma popularidade excepcional na China e tornou-se uma das três cores da Porsche mais preferidas no “Império do Meio”. Isso demonstra que, sob condições favoráveis, uma cor de comunicação torna-se um best-seller. Ela não precisa, mas pode agradar.

Cores com tradição policromática

Daniela Milošević elegeu o Signal Yellow dos anos 1970 a sua cor favorita, “um tom clássico, próprio da Porsche”. Barbara Sika tem fascinação pelo contraste entre o Viper Green e o Tangerine, que a Porsche usou especificamente em campanhas publicitárias. E a cor Star Ruby do início dos anos 1990 encanta Sina Brunner: uma apenas pretensa cor cult feminina, que toca a ambos, mulheres e homens.


Signal Yellow
911 S 2.7 Coupé (protótipo), 1972

 

Viper Green
 911 T 2.4 Coupé, 1972 

 

Tangerine
 911 S 2.4 Coupé, 1972 

 

Star Ruby
 911 Carrera RS 3.6 Coupé, 1992 

Laurin Paschek
Laurin Paschek